Poems - Português
versão em Português: Marcelo Silva a Jeane Hanauser
uma vez eu também tive 70 anos

estou lendo
não sei se poderei descrever o mar

porém ali está a poucos passos
verde encrespado de branco
pode vê-lo agora . . . morna luz salobre
¿ fiz uma boa descrição
aproximo-me

ainda estou vestido e pareço velho aos olhos dos meninos
¿ como se explica

chapéu de palha
camisa branca | óculos escuros
larga calça bege | suspensórios
sapatos de couro super usados mas que ainda servem
[ sou leve consumo pouco ]
na bolsa duas maçãs e um livro que logo fará parte de mim

quantos anos se passaram desde aquela noite ardente

trouxe tudo menos tinta
acabará
e esquecerei do que queria escrever

tiro o chapéu
finalmente fico nu sobre a areia
lembro vividamente sua bunda entre as pedras
e tento fotografá-la

a camisa enrolada me serve de travesseiro
suas costas pareciam não ter fim
devo prestar atenção para não molhar os sapatos
¿ porque lhe falo disso ?

faz calor exatamente como então mas há menos perfume

a vida é mesmo um belo lugar
pensei que fosse morrer sem ela
no entanto estou aqui ainda respirando iodo
me divertindo ao ouvir as respostas dos outros
nunca cansado de aprender
libero gradativamente potência em contínua evolução

e agora me deu fome




verdade e beleza

cai o mundo e caem os credos
o prédio da frente ontem caiu
e o nosso ainda não sabe se vai cair
mas é tão bom se deixar levar
entre as paredes brancas

verdade e beleza
é tudo o que você deve conhecer nesta terra

não sustente uma estrutura doente
libere-se
caia junto para logo depois reconstruir
faça da mudança sua coerência

¡ saia !
a quarta dimensão não tem preço
¡ corra !
há tanta vida para conhecer
¡ cuánta vida !
a nitrosamina da borracha natural
os mármores de læptis magna
a flutuação estatística
os interferogramas diferenciais
o fluxo de ricci

o mar trará ao homem nova esperança
assim como o sonho leva aos sonhos

¡ ande !
e se não pode andar
¡ respire !
procure beleza e verdade no mundo
sempre achará almas em sintonia com a sua


post scriptum
neste preciso instante
acaba seu sofrimento



três pontos três traços três pontos [ un epitaffio per la poesia ]

ainda nada do que houvesse querido
doença comum mas não para mim
minha frente é uma trincheira
e ela me chama de uma ilha distante
três pontos três linhas três pontos

ainda todos os sonhos devem se realizar
tanto que os esqueci
a coisa foi assim: não me arrependo
mas doze pequenos corações batem leve
três pontos três linhas três pontos

navegando sempre com patilhão curto
pensava evitar obstáculos inexistentes
mas o objetivo era árduo
e perseguí-lo uma loucura
três pontos três linhas três pontos

apostei tudo numa única jogada
tenho lido muito para meu gosto
tenho respirado muita fumaça no foyer do teatro
quando estava ali para respirar beleza
três pontos três linhas três pontos

um menino sujo pedalando em minha direção
gritava • em outra língua • a poesia dá nojo
e eu apenas consegui lhe dar a razão
[ entretanto eu estava num bar ]
três pontos três linhas três pontos

com o golpe final do escorpião
daria o nóbel a algum poeta já sem idéias
[ un epitaffio per la poesia ]
eu estarei vivo ainda
[ talvez virando em oito indefinidamente ]
ou talvez morrerei com ela

e agora
que finalmente deveria dizer alguma coisa
me sinto
ouço
e espero



carta para o homem que vem

você está crescendo
espero que esteja são
mas saiba que ninguém é verdadeiramente são
fora você

no mundo não se deve fazer nada especial
apenas sugiro que fuja se na caixa do correio
somente encontra contas e publicidade

depois dos vinte e cinco anos todo o mundo é velho
você deve tomá-lo como uma vantagem
sempre terão sua experiência
para antepor à sua

no mundo não se deve acreditar em nada
apenas sugiro que se dê conta de uma coisa
embora isso faça sua alma chorar

jamais perca a dignidade
não é preciso rezar pela vitória
para lutar com honra
e se você lutar
não o faça para tentar igualar coisas diferentes

seja original [ não basta com sê-lo
na realidade há que sentí-lo ]
e confie na tecnologia
preencha-a de música e poesia
até onde a sua imaginação chegar

experimente o sexo além da procriação
e viva a paixão além do sexo

também desejo que se sinta sozinho
para que descubra o maravilhoso de viver em solidão

nosso amor interior
é um rio caudaloso
ou um leito seco

se amar
nunca dê a ela/ele a importância que merece

se ela/ele amar você
saberá ganhá-la

se você não ama
aproveite este período para conhecer
as coisas belas desta vida

são mais do que você acredita
e são diferentes das que outros querem que você acredite

utilize todo o tempo que lhe resta
para conhecer a si mesmo
para encarar a dor com seu sorriso
para escrever sobre o amor não dado

todo o tempo que me resta
combaterei o remorso
de não ter você a meu lado



o amor muda

acho que estou perdendo tempo
ante este nada ladeira acima

encontrá-la por acaso numa trilha de montanha
[ também poderia ser em qualquer cidade ]
e mudar de rumo na metade do caminho
não torna nula minha coerência

na verdade acrescenta coração
vontade
e beleza [ a sua ]
aos meus olhos empobrecidos de cinismo

porque o amor muda

nestas palavras cegas para sua voz
é evidente que a retórica
não tem o peso do reflexo dos seus cabelos

seguir você me faz esquecer
a. o veleiro :
o sonho do fragor do oceano
nas antípodas desta cidade silenciosa
b. uma amiga :
a liberdade que me trouxe até aqui
a mesma liberdade que me serviu para encontrar você
e que agradeço
c. a mim mesmo :
esse esquisito universo de emoções
que todo mundo considera um maníaco sexual

te escolho ao amanhecer
[ ilusão de ótica ] dos desejos
para satisfazê-los
os meus | os seus | os nossos

ontem à noite não fechei um olho
exausto de desvelo
eu
gordo e preguiçoso
incansavelmente forjo nossa grande vida

porque o amor muda



mensagem numa garrafa

neste mundo distraído
abri os olhos para ver
a crueldade do homem
e será difícil pensar que não a vi

abri os olhos para ver
as atrocidades do homem
e será difícil voltar a fechá-los

branco e macio como flor de algodão

abri os olhos para ver
a estupidez do homem
e será difícil pensar que errei

como uma casa bonita
não representa um inquilino feliz
também no mundobom vivem pessoas tristes

as coisas devem mudar
tudo está mudando
tudo já mudou

e não se sabe de onde
e não se sabe quando
mas um dia atracará no porto
um titanic imponente
reluzente de jóias
abarrotado de pessoas

e não saberá para aonde
não saberá por quanto
mas irá se embarcar com fé

branco e macio como flor de algodão

porque a vida é isto
:
oceanos de oportunidades
milhões de aventuras
universos de amores

procurar-se
dar-se as mãos

para não nos sentir perdidos



nu de homem [ finais dos ‘900 ]

estou sempre atrasado
deve ser por isso que não consigo me sentir à vontade
… nem sequer tenho preparado um discurso
¿ posso tocar você enquanto lhe falo

pergunto porque muitos não gostam
[ sinto pena deles
:
parecem cachorros assustados
pequenos suricatos do serengeti
[ meerkat suricata suricatta ] sempre alerta ]
mas me segue
temos pouco tempo e as palavras mudam rápido

eu amo a humanidade
pelos poucos homens que a fazem agradável
me deixe tocá-la
e deixe que os outros sejam pequenos aos meus olhos

você sabe o que é a vida ?
muitos lugares e muitas pessoas belas
e tão pouco tempo para amá-las
:
esta é a vida

como eu gostaria de resistir lúcido até a fronteira
deverei atravessá-la embora sinta dor ?
para enviar um homem • dizem •
bastarão poucos euros

você sabe o que é o tempo ?
muitos pensamentos
e pouca voz para descrevê-los
:
isto é o tempo

você sabe o que é a sorte ?
sentir-se a pessoa justa
no momento justo

ou tê-la do nosso lado